Escrito por Priscilla

A executiva da Lufthansa

executiva

Contei para vocês como consegui os vôos para a Rússia pelo TAM Fidelidade. Aliás, se você tem um mínimo de experiência em viagens, fuja do Fidelidade. Explico em outro post, em breve. Bom, a verdade é que eu sempre tive muita sorte na vida e ela não me deixou na mão nessa viagem: consegui uma executiva lindona na alemã Lufthansa. Para ter uma vaga ideia do conforto, tem até um vídeo no site da companhia.

Como meu vôo tinha duas pernas, peguei a primeira executiva entre Moscou e Frankfurt, numa daquelas executivas de vôo interno, sabe? Mais ou menos, mas com a comida boa e talheres de metal. Drinks a vonts.

Mas o show mesmo começa quando você pega o vôo intercontinental (no meu caso Frankfurt – São Paulo).

Antes de falar da experiência do vôo em si, vou te falar que o trânsito em Moscou é tão ou pior que o daqui. Então eu cheguei super atrasada no aeroporto. Já cheguei xingando todo mundo de tão puta que eu estava. Na hora do check in, a fofa que me atendeu estava com humor de ostra, até ver que eu era da executica (êeee carteirada). Despachei as malas, passei feito the flash na imigração e fui para o portão de embarque. Chegando lá: surpresa! já tinham até colocado o cordão de isolamento. Pulei o cordão e fui correndo mais que maratona pelo corredor até poder entrar no avião. Um fiscal do aeroporto me parou, pediu meus documentos (e eu já chorando com pavor de perder o vôo). Então, ele me avisa que o embarque do meu vôo estava atrasado. Agora….imaginem a cena: loira com lágrimas nos olhos, correndo e pulando o cordão do portão, no modo desespero tendo que voltar com a cara mais blasé do mundo e passando por todos os passageiros do avião. Até eu ri…

Por isso, e porque eu embarquei quase que imediatamente entre Alemanha e Brasil, não pude fazer firula na sala VIP do aeroporto. Mas o excelente programa de milhas da United ta aí para me ajudar a corrigir isso em breve.

Bom, entrando na aeronave, daquelas de dois andares (ai, desculpa, nao sou menino, nao entendo de máquinase nao sei seus nomes), fui logo me acomodando na minha poltrona 1 A. Gente, de cara tinha um mundo de revistas femininas alemãs e americanas. Trouxe várias para casa.

A comida era de fato muito boa, mas nada que me fizesse ficar enlouquecida. Comi uma carne com molho agridoce e é tudo o que lembro (isso foi há 6 meses). Bailey´s a vontade encantando o meu vôo.

Dei sorte (olha ela aí de novo), de sentar do lado de um funcionário brasileiro da Lufthansa, que teve a paciência de me ensinar como mexer no controle remoto da poltrona. Além das funções de deitar e levantar, a poltrona ainda tinha uma função de massagem. Voeei com a minha lombar sendo massageada. Delícia, né? Mas aconselho você desligar essa função antes de dormir, pois massagem e sono não combinam ao mesmo tempo.

O kit de amenidades que eu recebi era claramente específico para o verão: tinha protetor solar e a bolsinha parecia uma mini bolsinha de praia, com listras brancas e azul marinho. Mas fofo mesmo era o banheiro, que além de uma gama de produtos Nívea (quem não curte) tinha até gerberas. Ai, gente, eu me deslumbro com essas coisas e assumo.

Resumo da ópera: até aí, foi a melhor executiva que eu viajei…até conhecer a da United…mas isso eu conto em outro post também…

 

  1. Avaliação geral:

Deixe seu comentário

Enviar