Escrito por Priscilla

Museu na Liberdade anuncia Festa da Cultura Japonesa com atrações gratuitas

*Por Dre Nascimento

Quem tem afinidade com a cultura japonesa e se pega sempre passeando pelo bairro Liberdade, pode começar a comemorar. A partir do dia 20 (próximo sábado), começa a 11a Bunka Matsuri, festa que comemora a cultura do Japão. Eu já fui conferir as novidades que estão sendo preparadas para o evento e vou contar tudinho neste texto 😀

Bunka Matsuri

O evento é organizado pela Sociedade Brasileira Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social (BUNKYO) e, para Carlos Kendi Fukuhara, presidente do Bunka Matsuri, é uma experiência importante para a comunidade tanto nipônica quanto ocidental, pois é totalmente criada por descendentes japoneses. “Nesta festa, nada é importado. Todas as atrações são oferecidas de forma gratuita e produzidas pela comunidade nipo-brasileira. A idéia é preservar e valorizar a cultura japonesa praticada aqui no Brasil, pelos filhos e netos dos primeiros imigrantes”, comentou.

Museu Histórico da Imigração Japonesa em São Paulo

Festa da Cultura Japonesa

O evento acontece entre os dias 20 e 28 de maio e as atividades se dividem entre o Museu Histórico da Imigração Japonesa, no bairro Liberdade, e o Pavilhão Japonês, localizado no Parque Ibirapuera.

No museu, que possui entrada gratuita na ocasião, os visitantes terão a oportunidade de conhecer os três andares de história do país e participar das oficinas culturais.

Entre as atividades, estão: Iki Iki Taissô (ginástica japonesa), oficina de artes plásticas, de Origami e Ikebana, de Bonsai, de Oshibana e de Cerâmica. Além disso, haverá a Cerimônia do Chá, dia da Poesia, Haicai e Nome em Japonês e oficina de Kirigami, bem como um desfile de Kimonos.

Cidades de Priscilla no Museu

Na última quarta-feira (10) fui ao Museu Histórico da Imigração Japonesa a convite da presidência da BUNKYO. Ao chegar lá, fui recepcionada pelo próprio Carlos Fukuhara, que já comentou um pouco sobre o festival e sobre as oficinas que poderíamos – outros colegas blogueiros que estavam comigo e jornalistas – experimentar em primeira mão.

O primeiro passeio foi pelo Museu, mesmo. Com o senhor Takeda, conhecemos um pouco da história da cultura japonesa, desde seus primórdios e como chegaram aqui no Brasil.

Imigração Japonesa

Muitos devem saber, mas achamos super interessante a história de como os primeiros japoneses chegaram ao Brasil.

Entre o final do século XIX e do século XX, o Brasil passava por uma mudança nos padrões cafeeiros com o fim da escravidão. As fazendas precisavam de mão de obra (porque não podiam mais contar com os escravos), e alguns imigrantes europeus já não supriam as necessidades de produção e colheita.

Já o Japão, que passava por uma transição entre o feudalismo e a estrutura político-governamental, acabou enriquecendo poucos da burguesia japonesa e fazendo do país uma potência bélica do mesmo nível que as potências ocidentais – mais importante, para eles, do que necessidades sociais.

Com isto, a maior parte da população camponesa teve que migrar para as grandes cidades para tentar sobreviver, porém como o país é um arquipélago superpovoado, os suprimentos logo acabaram e o governo japonês se viu obrigado a emigrar muitas famílias, como alternativa para a crise política. O primeiro navio partiu do Japão em 1885 e aportou no Havaí. Como dito no próprio Museu da Imigração Japonesa,

“Entre a pobreza em casa e um trabalho em terras estrangeiras – que por mais legalizado que fosse tinha obviamente muitos riscos – muitos japoneses preferiram a segunda opção”.

Além da crise econômica que o país já enfrentava na época, houve também a guerra contra a Rússia entre 1904 e 1905, o que piorou ainda mais as condições dos japoneses. O quarto navio que saiu do Japão, aportou no Brasil em junho de 1908.

Na época, segundo o senhor Takeda, os navios demoravam pelo menos 60 dias para atravessar o oceano e os primeiros imigrantes desembarcaram essencialmente para oferecer serviço, já que o Brasil passava, como falei acima, por uma crise de produção e colheita, com falta de mão de obra. Naquela época, os passaportes eram emitidos para a família inteira, para evitar fugas ilegais.

Passaporte emitido para as famílias japonesas

Costumes Japoneses e Cerimônia do Chá

No evento também nos foi apresentada a Cerimônia do Chá, que é uma atividade tradicional com influências do Taoísmo e Zen Budismo, na qual prepara-se chá verde em pó para os convidados. Uma cerimônia como esta pode durar até quatro horas!

Inicialmente, é servido um doce, como se fosse uma refeição mesmo.

Depois, nos foi servido o chá verde, que normalmente tem duas opções: o mais forte e o mais fraco. Nos foi servido o mais fraco, porque provavelmente acharíamos o outro muito amargo. A bebida é trazida em uma caneca sem alças que, segundo a presidente da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa, Harumi Arashiro Goya, é importante para que sintamos se a bebida está muito quente ou não, afinal nossos dedos são menos sensíveis que a nossa boca. Se nos queimarmos, por exemplo, nas mãos, fatalmente nos queimaremos ao tomar o chá. Por isso ele não tem alças (achei isso extremamente genial e interessante!)

Logo que servida, a pessoa deve levantar a caneca com as duas mãos, agradecer, pedir licença ao colega ao seu lado esquerdo, virar a caneca duas vezes para o sentido horário e, somente assim, finalmente beber.

Outro tema interessante é que somente podemos entrar no espaço da Cerimônia do Chá se as pedras do chão estiverem molhadas. Se elas estiverem assim, é sinal de que a cozinha está pronta para receber seus convidados. Caso contrário, nem pise lá, ta? É falta de respeito e educação 🙂

Experiência e Oficinas

A experiência foi muito gratificante (especialmente porque eu sou fascinada pela cultura japonesa e já tenho viagem marcada para o Japão no próximo ano). Ao final do passeio, ainda pude conferir amostras das oficinas que vão acontecer no Festival e até sentei para fazer um Tsuru! Pasmem, ficou ÓTIMO! <3

Dre Nascimento de branco tentando fazer seu primeiro Tsuru!

Fiz o Tsuru maior. Até que ficou fofinho, né?

Se você quiser saber mais informações sobre a Festa da Cultura Japonesa, acesse o link: http://www.festajaponesa.com.br ou http://www.bunkyo.com.br

  1. Avaliação geral:

Deixe seu comentário

Enviar