Escrito por Priscilla

Porque vale a pena visitar o Beto Carrero World

Sempre aproveito as férias com a minha filha para conhecer hotéis fazenda na região do interior de São Paulo. Ela adora toda a programação das equipes de monitores, e sempre pede para fazermos isso. Este ano eu queria fazer alguma coisa diferente e pensei no Beto Carrero World.

Fui atrás de pacotes e fiquei surpresa ao saber que o aéreo, traslados, hotel e os ingressos para dois dias de parque ficava mais barato que o mesmo período (uma semana) em qualquer hotel fazenda por aqui. E veja que não estou considerando os mais caros.

Resolvi fechar, adiantando um pouco as férias da Olívia, de seis anos, para não pegar a alta temporada e consequentemente o parque cheio. Fomos na semana de 19 de junho. Ficamos num hotel mais simples em Balneário Camboriú, mas com um bom quarto, café da manhã ok e ainda uma piscininha aquecida que salvaria um dia mais morto ou com chuva.

Durante o mês de junho o parque ainda abre apenas de quinta à domingo, mas essa programação muda. Por isso é super importante checar o site antes de marcar a viagem. Nos três primeiros dias da semana aproveitamos para conhecer a cidade, que tem uma estrutura incrível, empreendimentos de alto padrão, e um povo muito simpático e acolhedor.

O táxi lá é caro, mas eles já têm Uber, o que ajuda no orçamento. A cidade também tem um serviço chamado Bondindinho, que é uma espécie de bondinho que circula a cidade toda e pode ser uma boa opção se você não tem pressa.

Para as crianças há coisas muito legais para fazer na cidade. Na Barra Sul existe uma espécie de complexo turístico, com três opções bem bacanas. Aproveitamos tudo em dias diferentes:

1- Barco Pirata: de um píer saem barcos piratas super bem caracterizados, com piratas que performam um show durante o passeio. Em cerca de uma hora, o barco dá uma volta por algumas praias e as crianças piram com os atores. Lá dentro tem bebidas e uma lojinha com espadas, tapa-olhos e outros acessórios fazem com que as crianças encarnem os papéis também.

2- Parque Unipraias: na Barra Sul você pega um teleférico direto para esse parque natural, que fica no alto do Morro da Aguada. Lá, além de uma vista incrível no meio da mata Atlântica , há um espaço com brinquedos chamado Floresta Encantada (que em breve vai inaugurar um trenzinho que dá uma volta no parque), um trenó que circula o parque num trilho super radical e uma tirolesa que você pode descer direto para a praia de Laranjeiras, do outro lado do morro. Você também pode pegar o teleférico para a praia das Laranjeiras, que foi o que fiz porque estava um dia bem aberto, com solzão brilhando. Lá almoçamos num dos vários restaurantes pé na areia, enquanto a Olívia aproveitou muito a areia e o mar (que estava gelado, mas parece que nessas horas crianças não sentem frio). A dica aqui é levar uma mochilinha com biquíni e toalha. Como fui pega de surpresa, tive de comprar tudo ali, porque não dava para não aproveitar.

3- Parquinho na beira da praia: na Barra Sul há um parquinho que sempre está cheio de crianças. É simples, mas distrai as crianças por um bom tempo enquanto a gente pode ficar vendo a orla toda, os navios e o encontro do Rio Camboriú com o mar. Uma delícia!

Vamos, então, ao Beto Carrero World!

(Comentário da Pri – não tem como não escutar Beto Carrero e não lembrar daquela vinheta que passava nos Trapalhões, que imitava o barulho do chicote).

Visitamos o parque na quinta e na sexta-feira. No caso de você já conhecer a Disney, digo que não irá se decepcionar. Claro que é uma proporção bem menor, mas o parque é muito bem caracterizado, com funcionários muito atenciosos e simpáticos, de uma limpeza impressionante (não vimos uma lixeira cheia, uma sujeira no chão, e sempre havia gente limpando tudo o tempo todo).

O parque é grande e é separado em zonas temáticas. Eles têm uma parceria com a Universal Studios, o que garante também que as caracterizações sejam muito bem feitas, como é o caso da área de Madagascar. A maior parte dos brinquedos não é “radical” demais, então as crianças podem aproveitar bem.

Já no primeiro brinquedo que for, os funcionários colocam uma pulseira na criança que indica o seu tamanho e facilita a entrada nos demais. Achei bem prático.

Como fomos em junho, já estava frio. No primeiro dia ainda enfrentamos chuvinha fina que ia e vinha, então capas de chuva foram providenciais. Eu aconselho também levar uma troca de roupa, porque se você for ao Tchi-bum, brinquedo de água, vai sair bem molhado e vai precisar trocar por algo seco. Mais uma vez aqui tive de comprar uma muda toda de roupa porque a Olívia ficou encharcada e não tinha condições de passar o dia assim. No verão certamente dá para encarar e secar mais rapidamente.

Entre os brinquedos há montanhas russas mais radicais e uma para crianças, a do Tigre Tigor, que não por isso é sem graça. Olívia foi cinco vezes, e eu me diverti também.

Há versões do Barco Viking, da Montanha Encantada, do Dumbo voando, um cineminha 4D e dois carrosséis, um deles lindíssimo, de dois andares, no meio da tenda da praça de alimentação. Tem também um mini zoológico (que eu não curto muito, fico com dó dos bichos) e um passeio de trem lindinho, que conta com uma simulação de assalto e o Beto Carrero como herói, seguido de uma caverna de dinossauros com uns efeitos legais, que deixam as crianças alucinadas.

Além dos vários brinquedos, que permitem que a família toda se divirta junto, há shows muito bem produzidos por ali.

O Blum, uma espécie de Circo du Soleil sobre o fundo do mar; o Madagascar, um circo com todos os personagens; e um musical sobre o Beto Carrero, sempre no fim do dia. Todos acontecem em lugares bem amplos e duram cerca de meia hora, o que garante a atenção das crianças. Nenhum deles é pago à parte.

Fora essas, há duas outras atrações bacanas, que nós curtimos durante os almoços. Uma é o Excalibur, que acontece numa arena e simula uma competição entre cavaleiros medievais enquanto almoçamos usando coroas e torcendo por eles. Bem feitinho, apesar de só haver uma opção de prato (com arroz, legumes, carne, frango e batatas fritas), que nem é tão bom assim.

A outra é um show de Velozes e Furiosos, com carros, motos e até um caminhão fazendo aqueles malabarismos todos. Você pode assistir de uma arquibancada, sem pagar, ou de um restaurante, onde você só paga o que consumir mesmo. Há pratos e lanches, mas precisa chegar cedo ali ou reservar uma mesa na varanda com antecedência. Eu fiquei do lado de dentro, mas na longa janela próxima à varanda, o que foi legal porque o barulho é um pouco menor e a fumaça não entra.

Para os mais corajosos ainda há o show da Monga, a mulher que vira macaco, que acontece em horários pré-determinados, e o Portal da Escuridão, atração paga à parte, que tem monstros, fantasmas, sangue e essas coisas todas das quais eu nem quis passar perto.

O parque também tem os personagens da Universal como a turma do Madagascar, do Shrek e do próprio Beto Carrero, que aparecem em horários marcados para fotos. Fizemos todas sem muita fila. Todas as áreas têm lojinhas com produtos característicos, e todos bem feitinhos, nada porcaria. O preço também é salgadinho, assim como o de alimentação e bebidas.

Nessa época, dois dias foram suficientes para curtir tudo e repetir os brinquedos que gostamos mais. Eu descobri ali que essa viagem foi um ótimo teste pré-Disney. Ali você pode ver se a criança aguenta andar o dia todo, se aproveita bem os brinquedos, se realmente vai dar valor ao investimento mais alto de uma viagem a Orlando e aos parques todos por lá. De qualquer forma, é certamente um destino que visitaremos novamente.

 

Quem é Caru Fogaça

Caru, 38 anos é mãe da Olívia de seis. Como diretora de comunicação em São Paulo de uma das maiores agências de Branding e Reputação do Brasil ela bem sabe como é equilibrar a vida de mãe com a de profissional. Ama cozinhar de tudo, mas seu coração tem uma queda pelo strogonoff.

 

  1. Avaliação geral:

COMENTÁRIOS

  1. Fernanda |30/06/2017 09:16

    Adoro vocês e suas dicas!! Faço muita coisa com meu filho João de 5 anos (hiperativo!) e muitas são dicas de vocês!! O Beto Carreiro é nossa próxima aventura e fiquei feliz com as dicas!! Muito obrigada! Bjo

    • Priscilla |30/06/2017 18:37

      que bom ler isso, Fê! <3
      Fez meu dia! Obrigada
      Priscilla Fiorin

  2. Juliana |03/07/2017 17:42

    Obrigada pelas dicas. Acho que vou esperar ficar um tempo mais quentinho para aproveitar mais. Meu filho tem 5 anos Henrique <3

  3. Daniella Silva |28/08/2017 14:57

    Boa tarde!. Fiz orçamento saindo de BH para 7 dias e saiu a 7.000 reais. Nao sei o que cotei errado. Pedi um orçamento a agência de turismo. Queria muito ir mas nao achei barato. Se puder dar dicas como nome do hotel eu agradeço.

    • Priscilla |28/08/2017 21:21

      Oi Daniella, tudo bem?
      A Caru fechou o pacote direto com o Beto Carrero. Fechou tudo: voo, hotel, etc. eles que montaram.
      Dá uma olhadinha aqui:
      http://www.betocarrero.com.br/loja/
      abs

  4. Fernanda Mendes |28/08/2017 15:03

    Olá Caru.
    Poderiae passar por qual companhia foi e o nome do hotel?
    Grata é uma grande beijo! Adoro suas dicas!

    • Priscilla |28/08/2017 21:20

      Oi Fernanda, tudo bem?
      A Caru fechou o pacote direto com o Beto Carrero. Fechou tudo: voo, hotel, etc. eles que montaram.
      Dá uma olhadinha aqui:
      http://www.betocarrero.com.br/loja/
      abs

Deixe seu comentário

Enviar